Passaporte

Quando olhamos para o nosso caminho de vida, muitas foram as conquistas, muitas foram as metas alcançadas e algumas foram as desilusões.
Faz parte desse mesmo caminho. As desilusões têm duas faces: Ajudam a crescer ou bloqueiam o passaporte para uma viagem mais enriquecedora, retendo-nos no aeroporto, sem horário de partida.

Esse bloqueio é muitas vezes baseado em crenças, em algo que acreditamos como sendo uma verdade absoluta, mantendo-nos protegidos de algo incerto, que como crença limitadora remete para uma situação de possível sofrimento emocional.
O nosso passaporte não está carimbado à nascença, somos nós que o carimbamos e o mais fantástico é que temos sempre a hipótese de o carimbar para o destino que escolhemos.
O que te limita a seguir em frente? O que te mantém presa a essa dor? Que marcas já tens no teu passaporte?

Por vezes tens pessoas à tua volta que não te permitem abrir o passaporte. Por vezes tens um passado, recente ou não, que te limita, que te bloqueia, por experiências que te fizeram sentir uma dor emocional que jamais pensavas que poderias sentir. Por vezes até estás bem, mas ficas presa a uma doce sensação daquilo que já não tens ou nunca tiveste. Por vezes a melancolia é o teu estado normal, o único estado que te permite encontrar contigo própria, que te traz segurança. Por vezes a sensação de que te falta algo advém de uma perceção de não pertença. Por vezes esse estado acorda o teu crítico interno que te massacra constantemente com um discurso feroz e devastador. Por vezes a tua auto estima carimbou outro passaporte que não o teu. Por vezes contrarias o teu coração, fechas o passaporte e arruma-lo na gaveta, interrompendo o caminho, o caminho do crescimento, que mais cedo ou mais tarde te chamará novamente.

Autenticidade

De que serve um armário cheio de conquistas quando a verdadeira conquista vem de dentro de ti? Para ti! De que serve o reconhecimento externo quando és tu que muitas vezes não te valorizas? De que serve traçares um objetivo quando não aprecias o caminho?
Tudo isto pode levar a um circulo viciante de vazio e frustração, por vezes com resultados altamente destrutivos e tóxicos e que te levarão à tua falência pessoal.

Quando te amares verdadeiramente irás perceber que a tua angústia e o teu sofrimento emocional não são mais do que sinais de que estás a agir contra as tuas próprias verdades, isso é Autenticidade.

Todos nós temos algo fantástico dentro de nós, algo que só nós temos. Sabes o que tens de fantástico dentro de ti? Tens o direito de opção, tens o direito de ser feliz e, acima de tudo tens todas as ferramentas para que isso aconteça. Tens o direito e o dever de te amar como mais ninguém te ama.
Tens-te a ti. Enquanto não te conquistares não terás verdadeiramente ninguém que carimbe o passaporte contigo, para o mesmo destino, no mesmo voo, no banco do lado.
Só há uma coisa certa na vida e tu, sabes qual é. O que queres fazer até lá, depende única e exclusivamente de ti. O caminho é teu e tu, vais SER.

SITUA-TE, no hoje, vive um dia de cada vez, ganha plenitude na tua vida
EQUILIBRA-TE, ouvindo as verdades que o teu interior te está a querer dizer, tem amor próprio.
RENASCE, para que no futuro, quando a tua mente te atormentar e dececionar a coloques em sintonia com o teu coração, tem respeito por ti e sê autêntica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *