39 Anos, 39 Crenças Transformadas

Há um ano atrás jamais pensaria estar onde estou agora. Jamais pensaria conseguir fazer o que tinha de ser feito.

Jamais pensaria ter menos mas sentir-me mais rico.
Jamais pensaria olhar para mim e ver a pessoa que sou hoje.
Jamais pensaria que perder, muitas vezes significa ganhar, ganhar clareza, ganhar perspectiva na minha vida.
Jamais pensaria que poderia ouvir “andas com ideias malucas”, sorrir e ganhar força para seguir em frente.
Jamais pensaria largar tudo e seguir o meu sonho, o meu propósito de vida, a minha felicidade.
Jamais pensaria que ouvir o meu coração tinha uma força tão avassaladora.
Jamais pensaria que os problemas e as preocupações me dessem força para seguir em frente, sem medo.
Jamais baixarei a cabeça, os ombros, o olhar.
Jamais esquecerei que o medo é um sinal mal interpretado e se o alimentarmos ele cresce e vence.
Jamais pensei que sabia fazer outras coisas para além do que estava habituado a fazer.
Jamais, me esquecerei desta lição.
O que significa “jamais”?
Para sempre guardarei estas memórias.
Para sempre olharei para elas e direi “se eu consegui tu também consegues”.
Para sempre me lembrarei com gratidão, daqueles que neste momento me olham de lado.
Para sempre viverei o silêncio sem explicação que impulsionou esta mudança.
Para sempre guardarei no coração quem não me deixou cair.
Para sempre terei como referência que manter o foco nos problemas trazia uma força enorme ao significado jamais.
Para sempre seguirei o meu coração e as suas escolhas.
Para sempre aprendi que, não dar importância ao nosso discurso interno, é anularmo-nos, todos os dias.
Para sempre terei consciência que cada pessoa não tem de agir conforme a nossa vontade.
Para sempre me lembrarei que a liberdade de ação é libertadora e única.
Hoje, vejo-me no meu processo de resiliência, no grande teste da minha vida.
Hoje, olho para o futuro apenas como um amanhã do presente.
Hoje, releio todos aqueles textos que escrevi e penso que eram simples mensagens de mim, para mim.
Hoje, sei que irei continuar a minha viagem.
Hoje, sei quem quero levar nessa viagem.
Hoje, sei quem não quero ser, porque o que serei é construído hoje.
Hoje, deixei de ter um preço para ter valor.
Hoje, sei que quando o caminho ficou interrompido, o desvio foi a minha melhor lição.
Hoje, sei que fui enganado pela superficialidade, porque assim o permiti.
Hoje, sei que a instabilidade é uma mensagem de fuga perigosa ao verdadeiro encontro connosco.
Hoje, não me diminuo para caber em coisas pequenas.
Hoje, sei que ir ao fundo leva ao amadurecimento pessoal e a uma versão mais completa de nós.
Hoje, sei que o imediato é como um raio, bonito, magnifico, mas cega.
Hoje, sei que o que não dizemos não morre, mata-nos ao pouco.
Hoje, sei que somos muito mais do imaginamos e que se não fazemos é porque não o queremos fazer.
Hoje, sei que quando mudas algo importante na tua vida, há sempre alguém que te coloque um rótulo.
Para sempre, terei noção da importância do presente.
Hoje, sei que o jamais não é para sempre…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *