O Ciclo da Indecisão – Procrastinação

 

Em certas alturas da nossa vida, mais ou menos prolongadas, parece que não conseguimos tomar decisões.

 

Paralisamos em situações que consideramos importantes, perdemos a confiança e bloqueamos.

 

A procrastinação é isso mesmo, uma aliada do medo. O medo de falhar, o medo de não ser suficientemente bom, o medo da frustração, o excesso de perfeccionismo, faz com que não avancemos.

 

Devido a esta associação que fazemos, em alguns casos, somos ultrapassados pela própria vida e ficamos para trás. Adiamos, arrastamos as coisas com medo de falhar, do julgamento dos outros, de não sermos aceites e com medo de ouvir o tão vulgo “Eu sabia!”; “Eu avisei-te!”.

 

Quando acreditas que não és suficientemente bom (para ser amado, ter um determinado trabalho, um papel mais determinante na sociedade e no ciclo de influência) perante uma situação que sejas confrontado com isso irás, com grande probabilidade, optar pela procrastinação, evitando confrontar-te com a sensação desagradável de não ser suficiente.

 

Perdemos a confiança, a auto-estima, o auto-valor percecionado.

 

Isso faz-nos continuar a adiar assuntos que consideramos importantes. Por mais que façamos, dificilmente iremos conseguir mudanças duradoiras. A dor do desconhecido é maior do que a que temos e já conhecemos.

 

Independentemente do que tenha acontecido contigo, sabes que só desejar não basta, são precisas ações. Alcançar aquilo que queres para ti é uma questão de habilidade e decisão.

 

A maior parte das vezes procrastinamos porque os nossos desejos, metas e objectivos não estão alinhados com as nossas verdadeiras necessidades e com a nossa personalidade.

 

Se não tens em conta o teu perfil de personalidade, existe uma grande probabilidade de lidares com emoções desagradáveis: frustração, procrastinação e falta de motivação.

 

Quando sabemos aquilo que queremos ter, mas não aquilo que queremos ser, vamos estar sempre na rota das emoções desagradáveis. Vamos ter dificuldade de decidir, de iniciativa, de arriscar e mais importante, de nos comprometer com um resultado.

 

Quantas vezes já te comprometeste verdadeiramente com um resultado?

 

Aquele nível de comprometimento que te faz levantar da cama de manhã, cheio de energia, de motivação, onde os problemas são desafios a ser superados, em que tudo o que se apresenta se torna numa solução, onde crescemos, progredimos e evoluímos como pessoa.

 

Olha para a tua personalidade. Ela dir-te-à o que está por detrás dos teus comportamentos. Conhece os teus valores, eles são a tua bússola interior que te dirá para onde deverás seguir.

 

Vê o vídeo onde falo das duas forças que comandam as tuas decisões.

 

 

 

No Comments

Post A Comment